As Floristas contam a sua história, do seu projeto ou empresa, por meio de fotografias, vídeos e textos cuidadosos.

A partir de entrevistas e pesquisa, elaboramos seu conteúdo customizado. Construímos uma narrativa verdadeira e bela e editamos o conteúdo para os formatos digital e impresso, com a direção de arte e o design que caracterizam a linguagem inspiracional das Floristas para garantir que sua história seja apresentada de forma interessante e eficiente.


BIO's por aí:

Manhê, comida com carinho de mãe.

Manhê é uma empresa que oferece buffet para eventos corporativos e sociais, com capricho artesanal e o sabor que só comida de mãe tem. Sua cozinha é comandada pela manhê da Ana, da Natália e da Marina: a Rita Marchine, uma mulher que ama cozinhar desde sempre e chegou até a construir forno de tijolo para assar bolos quando era criança. Rita fez outras coisas na vida, mas quando teve suas filhas, percebeu que não existia trabalho no mundo capaz de tirar a atenção de sua maior vocação: ser mãe. Precisou do olhar apurado da filha Ana, para perceber que era possível juntar paixão e profissão. Assim, elas conceberam a Manhê. E quem ganha com isso são as centenas de pessoas que todos os dias se nutrem dessa deliciosa verdade.


As Marias, eventos.

Maria é um nome universal que combina com toda mulher.

Maria nobre, humilde, velha, criança, dona de casa, artista de cinema. Eu mesma conheci tantos tipos de Maria, entre elas, a “Dona Maria Benzedeira”, que me curou muito soluço, nervoso e quebranto. Maria é nome de vó, de tão amoroso que soa. Palavra forte, mas que carrega uma doçura capaz de quebrar barreiras, formar laços e inspirar confiança.

Ariane, Mirian e Renata batizaram sua empresa de eventos de “As Marias” pois nasceram com a proposta de humanizar o trabalho que se propõem a fazer.

Elas são Marias. Mas não vão com as outras. Têm um jeito próprio, des- centralizado, cuidadoso e carinhoso de atender, criar e produzir eventos de muitas formas e tamanhos.

Claro que, às vezes, baixa a “Maria Louca”, porque não é tarefa fácil. Mas elas mantém o sangue frio e coração quente para viver com leveza em um trabalho sem margem de erro.

Num mundo que tem nome para tudo, a Maria que existe nelas encontrou a Maria que existe em nós. E entre outras coisas em comum, veio a certeza de que, sim, cada vez mais pessoas - Marias, Livias, Robertas - saem da zona de conforto e se conectam com suas verdadeiras vocações para viverem fazendo o que realmente amam.

E se Amélia já foi mulher de verdade, que orgulho poder seguir Maria. Aquela que também é canção. Aliás, Milton Nascimento só podia ter vindo de uma Maria para definir esse nome com tanta clareza. Ele aprendeu com a mãe “que é preciso ter manha, é preciso ter graça, é preciso ter sonho sempre. Quem traz na pele essa marca possui a estranha mania de ter fé na vida. Ah! Hei!” 

* Imagens e textos, Floristas.